quarta-feira, fevereiro 27, 2013

Carta do Imperador


CARTA DO IMPERADOR VESPASIANO (41 dC)
PARA SEU FILHO  TITO (79 dC)


Onde o povo prefere pousar seu clunis*(*nádegas em latim)numa privada, num banco de escola ou num estádio? Futebol também é cultura.

Hoje, para júbilo e gáudio dos amantes das letras clássicas, divulgo uma carta do imperador Vespasiano a seu filho Tito.
Vamos a ela:

22 de junho de 79 d.c.- “Tito, meu filho, estou morrendo. Logo eu serei pó e tu, imperador. Espero que os deuses te ajudem nesta árdua tarefa, afastando as tempestades e os inimigos, acalmando os vulcões e os jornalistas.
De minha parte, só o que posso fazer é dar-te um conselho: não pare a construção do Colosseum. Em menos de um ano ele ficará pronto, dando-te muitas alegrias e infinita memória. Alguns senadores o criticarão, dizendo que deveríamos investir em esgotos e escolas. Não dê ouvidos a esses poucos. Pensa: onde o povo prefere pousar seu clunis: numa privada, num banco de escola ou num estádio?
Num estádio, é claro.

Será uma imensa propaganda para ti. Ele ficará no coração de Roma por omnia saecula saeculorum, e sempre que o olharem dirão: ‘Estás vendo este colosso? Foi Vespasiano quem o começou e Tito quem o inaugurou’.

Outra vantagem do Colosseum: ao erguê-lo, teremos repassado dinheiro público aos nossos amigos construtores, que tanto nos ajudam nos momentos de precisão. ‘Moralistas e loucos dirão, que mais certo seria reformar as velhas arenas. Mas todos sabem que é melhor usar roupas novas que remendadas. Vel caeco appareat (Até um cego vê isso).
Portanto, deves construir esse estádio em Roma.

Enfim, meu filho, desejo-te sorte e deixo-te uma frase: Ad captandum vulgus, panem et circenses (Para seduzir o povo, pão e circo).
Esperarei por ti ao lado de Júpiter”.

PS: Vespasiano morreu no dia seguinte à carta. Tito não inaugurou o Coliseu com um jogo de Copa, mas com cem dias de festa. Tanto o pai quanto o filho foram deificados pelo senado romano.


Assim como a gente de Brasília construirá monumentais estádios em Natal, Cuiabá e Manaus, mesmo que nem haja ludopédio por esses lugares. Só para você ter uma ideia, o campeonato de Mato Grosso teve média inferior a mil pessoas por partida, e a Arena Pantanal, em Cuiabá, terá capacidade para 43.600 espectadores. Em Recife haverá um novo estádio, mas todos os grandes clubes já têm o seu. Pior será a arena de Manaus: terá 47 mil lugares e, no campeonato estadual, juntando os 80 jogos, o público total foi de 37.971.

As gentes da Terra Papagalli não ligaram nem mesmo para o exemplo dos sul-africanos, que construíram cinco novos estádios e quatro são deficitários.

O pão e o circo continuam.......

terça-feira, fevereiro 26, 2013

Protesto CONTRA LULA na avenida Paulista


Fotos do protesto CONTRA LULA na avenida Paulista ontem

Parabéns a todos os participantes da marcha de protesto contra o governo corrupto do primeiro ministro sr LULADRÃO. Não se admirem que a mídia não divulgue a passeata.Houve várias passeatas no passado, contra o mesmo LULA, que sequer foram mencionadas no pé de algum jornal. A mídia está SUBORNADA. Precisa da propaganda governamental para sobreviver, nada falará, Reinaldo Azevedo tém nos advertido ao longo destes anos sobre esta pistolagem jornalística financiada com dinheiro público que vive do deboche sob encomenda, do achincalhe, da infâmia e das providenciais mentiras. Sobreviveremos.

segunda-feira, fevereiro 25, 2013

Filmagens ligam Lula a negócios de Rose e Cachoeira ameaça vazar tudo que sabe contra petistas e aliados


Jorge Serrão

 
Exclusivo – O Ministério Público Federal teria acesso a filmagens feitas em Nova York, registrando os passeios entre o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua amiga Rosemary Nóvoa Noronha. Um dos encontros mostra os dois se divertindo em compras na Macy´s – famosa grife da Big Apple. Investigadores também têm acesso a uma fotografia de Lula e Rose abraçados nos momentos de felicidade e vaidade no usufruto do poder. A foto foi oferecida a revistas e jornais brasileiros – que ficaram com medo de comprar.

As investigações têm acesso a outras filmagens que mostram os fortes laços entre Lula e Rose. Os dois foram flagrados em momentos de alegria e intimidade durante viagem a um país da África – provavelmente Angola. Reservadamente, o Ministério Público Federal já recebeu informações - obtidas pela Inteligência das Forças Armadas - indicando que Rose seria intermediária de negócios com diamantes, em parceria com os filhos do presidente de Angola, José Eduardo dos Santos. No meio do negócio, estaria também um alto-dirigente de uma grande empreiteira brasileira.

Militares descobriram que Rosemary utilizava um passaporte exclusivo de membros do primeiro escalão governamental para viagens de negócio ao exterior que fazia sem a presença do amigo Lula. Serviços de inteligência das Forças Armadas receberam informes de que Rose participaria de negócios com diamantes em pelo menos cinco países: Bélgica, Holanda, França, Inglaterra e Alemanha. As pedras preciosas seriam originárias de negócios ocultos feitos pela cúpula petralha na África, principalmente Angola. Tal informação também foi passada à PGR pelos militares.

Foram detectadas dezenas de viagens não-oficiais de Rosemary ao exterior, para "passeios de negócios". O passaporte especial a denunciou. Foram 23 para a França. Para Suíça, ocorreram 18, por via terrestre, partindo de Paris, e mais quatro por via aérea. Rose também fez 12 deslocamentos de avião para a Inglaterra. Outras sete viagens para o Caribe e os Estados Unidos, aconteceram de navio – de acordo com a inteligência militar brasileira.

Tais informações sigilosas sobre o Rosegate não aparecem nas 600 páginas do inquérito da Operação Porto Seguro. Pelo teor explosivo, podem até ser abafadas – o que será nada fácil na atual “temporada de caça ao Lula”. De concreto, a FAB já tem todo um dossiê sobre as viagens que Rose fazia. Tudo já está em poder do Ministério Público Federal. O seio do Rosegate está exposto. Falta apenas comprovar, publicamente, que Lula tinha seus braços no meio dele.

Mais conhecida como “Doutora Rose”, a exonerada chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo já está indiciada pela Polícia Federal por formação de quadrilha, corrupção ativa e tráfico de influência, como “braço político” de um esquema que fraudava pareceres ou criava vantagens para empresários corruptos em negócios com o governo Lula-Dilma. Lula será convidado pelo Ministério Público Federal a prestar esclarecimentos sobre sua relação política – e, eventualmente, de negócios – com a querida Rosemary.
Cachoeira Vazando...
Exclusivo - O que está ruim ficará ainda pior! Carlinhos Cachoeira vai derramar toda sua vingança sobre o PT. O contraventor Carlos Augusto Ramos dará logo mais uma entrevista exclusiva a três jornalistas de sua confiança, em Goiania. Abrirá o o jogo e o verbo contra seus agora inimigos – mas que até outro dia eram parceiros de assalto aos cofres públicos.

Ao sair novamente da prisão ontem, Cachoeira desabafou que “está doente e cansado de tanta humilhação”. Por isso, depois de consultar seus advogados, promete revelar tudo que sabe sobre negociatas promovidas nos governos do PT e de seus principais aliados. A grande dúvida é se a mídia amestrada - e agora ameaçada de corte de verbas oficiais de publicidade - terá coragem de publicar as revelações de Cachoeira.

O maior medo do governo é o caso Delta. Se Cachoeira der detalhes sobre como funcionava sua parceria com a empreiteira que era presidida por Fernando Cavendish, quem passa a ter sérios problemas é a Presidenta Dilma Rousseff – agora perdendo tempo com a defesa de seu godfather Lula da Silva, considerando “lamentável essas tentativas de desgastar a imagem de Lula”: “Repudio as tentativas de destituí-lo da imensa carga de respeito que o povo brasileiro lhe tem”.

Dilma agora que se cuide também para não perder o respeito que angaria. Ela gerenciava o PAC, em cujas obras a Delta deitou e rolou em superfaturamentos e distribuição de “mensalões” a vários políticos. Se Cachoeira falar, outro grande prejudicado será o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, parceiro de Cavendish, Dilma e Lula – que pode ter mais um escândalo nas costas, além do Mensalão e do Rosegate. Cavendish e Cabral estão rompidos pessoalmente. Cabral e Dilma estão com relação política abalada. Cachoeira está rompido com todo mundo e pode abalar ainda mais a corrupta conjunta brasileira com uma nova enxurrada de denúncias contra petralhas e seus comparsas.


Valeriogate se amplia

De pouco adiantará Lula alegar que “não pode acreditar e nem pode responder a mentira”. O processo do Mensalão – já decidido no Supremo Tribunal Federal – não sofrerá alterações. Azar da petralhada é que existem outros cinco processos correndo contra Marcos Valério Fernandes de Souza – inclusive o Mensalão Mineiro tão aguardado pelo PT. Nestas ações, Valério pode contar tudo que não revelou até agora.

O Estadão de hoje revela novas inconfidências de Valério à Justiça, no bombástico depoimento de 3h 30min, com cabalísticas 13 páginas, dado ao Ministério Público Federal, em 24 de setembro. Valério denunciou que o ex-diretor do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, e o ex-presidente do Banco Popular do Brasil, Ivan Guimarães, destinavam ao PT um “pedágio” ilegal de 2% cobrado de agências de publicidade. Só com a DNA de Valério, em 2003, Pizzolato embolsou, para o pertido, uns R$ 300 mil em contrapartida.

Ontem o Estadão já tinha vazado que Valério garantiu que o esquema do Mensalão pagou despesas pessoais de Lula, em 2003, quando o mito já era Presidente. Valério relatou que a grana era depositada na conta da empresa de um “laranja” da maior confiança de Lula: Freud Godoy. Conhecido como o “faz-tudo de Lula”, Godoy foi assessor presidencial e sempre cuidou da coordenação da segurança das campanhas de Lula. Valério relatou pelo menos dois depósitos em favor de Lula, via Godoy. Todos os envolvidos – como de costume – negam tudo.

Confirmando que Lula era mesmo o chefe do Mensalão, Valério revelou que Lula deu o ok pessoal para os empréstimos que o PT pegou nos bancos BMG e Rural, com a finalidade de repassar grana aos corruptos da base aliada. Valério garantiu que o encontro com Lula aconteceu no Palácio do Planalto, na presença de José Dirceu e do tesoureiro Delúbio Soares. Valério também colocou o então ministro da Fazenda no meio, confidenciando que Lula e Antonio Palocci negociaram com a Portugal Telecom (por ironia, tem a sigla PT) o repasse de recursos para o PT (Partido dos Trabalhadores). Todos os envolvidos – como de costume – negam tudo.
Cadeia à vista

O tempo vai mesmo fechar para Lula. O Presidente do Supremo Tribunal Federal já opinou ontem a jornalistas que o ex-presidente deve ser investigado por tudo que é denunciado. O Procurador-Geral da República deve tratar dos casos Lula (Mensalão, Rosegate e, provavelmente, Cachoeira-Delta) no começo do ano. A prioridade dele, agora, é conseguir, até o Natal e antes do recesso do Judiciário, que o STF determine a prisão imediata de todos os condenados no Mensalão.

Depois disso, a prioridade será cuidar de todos os escândalos que giram em torno do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O maior perigo para Lula é que Rosegate + Mensalão + Cachoeira lhe cause um transtorno emocional tão grande que seja capaz de deprimi-lo e abalar sua delicada saúde – ainda em tratamento contra os efeitos colatarais da quimio e radioterapia para extirpar o tumor maligno na laringe.

O mito Lula tem problemas como nunca antes na história desse País...


Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus.

 
Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total:http://www.alertatotal.net/. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.

Aula de Históriaula

O Futuro do PT (Lúcia Hippólito)
“Nascimento” do PT:
O PT nasceu de cesariana, há 29 anos. O pai foi o movimento sindical, e a mãe, a Igreja Católica, através das Comunidades Eclesiais de Base.
Outros orgulhosos padrinhos foram os intelectuais, basicamente paulistas e cariocas, felizes de poder participar do crescimento e um partido puro, nascido na mais nobre das classes sociais, segundo eles: o proletariado.
“Crescimento” do PT:
O PT cresceu como criança mimada, manhosa, voluntariosa e birrenta. Não gostava do capitalismo, preferia o socialismo. Era revolucionário. Dizia que não queria chegar ao poder, mas denunciar os erros das elites brasileiras.
O PT lançava e elegia candidatos, mas não "dançava conforme a música". Não fazia acordos, não participava de coalizões, não gostava de alianças. Era uma gente pura, ética, que não se misturava com picaretas.
O PT entrou na juventude como muitos outros jovens: mimado, chato e brigando com o mundo adulto.
Mas nos estados, o partido começava a ganhar prefeituras e governos, fruto de alianças, conversas e conchavos. E assim os petistas passaram a se relacionar com empresários, empreiteiros, banqueiros.
Tudo muito chique, conforme o figurino.
“Maioridade” do PT:
E em 2002 o PT ingressou finalmente na maioridade. Ganhou a presidência da República. Para isso, teve que se livrar de antigos companheiros, amizades problemáticas. Teve que abrir mão de convicções, amigos de fé, irmãos camaradas.
Pessoas honestas e de princípios se afastam do PT.
A primeira desilusão se deu entre intelectuais. Gente da mais alta estirpe, como Francisco de Oliveira, Leandro Konder e Carlos Nelson Coutinho se afastou do partido, seguida de um grupo liderado por Plínio de Arruda Sampaio Junior.
Em seguida, foi a vez da esquerda. A expulsão de Heloisa Helena em 2004 levou junto Luciana Genro e Chico Alencar, entre outros, que fundaram o PSOL.
Os militantes ligados a Igreja Católica também começaram a se afastar, primeiro aqueles ligados ao deputado Chico Alencar, em seguida, Frei Betto.
E agora, bem mais recentemente, o senador Flávio Arns, de fortíssimas ligações familiares com a Igreja Católica.
Os ambientalistas, por sua vez, começam a se retirar a partir do desligamento da senadora Marina Silva do partido.
Quem ficou no PT?
Afinal, quem do grupo fundador ficará no PT? Os sindicalistas.
Por isso é que se diz que o PT está cada vez mais parecido com o velho PTB de antes de 64.
Controlado pelos pelegos, todos aboletados nos ministérios, nas diretorias e nos conselhos das estatais, sempre nas proximidades do presidente da República.
Recebendo polpudos salários, mantendo relações delicadas com o empresariado. Cavando benefícios para os seus. Aliando-se ao coronelismo mais arcaico, o novo PT não vai desaparecer, porque está fortemente enraizado na administração pública dos estados e municípios. Além do governo federal, naturalmente.
É o triunfo da pelegada.
Lucia Hippolito
O PERIGO É O SILÊNCIO
Eu pediria a todos que receberem este post o favor de ler o texto por inteiro, com calma e atenção e, se puder e entender que seja pertinente, gastar um tempinho, para reenviá-lo a todos da sua lista.
Diamantina, Interior de Minas Gerais, 1914.
O jovem 'Juscelino Kubitschek', de 12 anos, ganha seu primeiro par de sapatos.
Passou fome. Jurou estudar e ser alguém. Com inúmeras dificuldades, concluiu o curso de Medicina e se especializou em Paris.
Como Presidente, modernizou o Brasil.
Legou um rol impressionante de obras e; humilde e obstinado, era (E AINDA É) querido por todos.
Brasília, 2003.
Lula assume a presidência. Arrogante, se vangloria de não haver estudado.
Acha bobagem falar inglês. 'Tenho diploma da vida', afirma. E para ele basta.
Meses depois, diz que 'ler é um hábito chato'.
Quando era 'sindicalista', percebeu que poderia ganhar sem estudar e sem trabalhar - sua meta até hoje.
Londres, 1940.
Os bombardeios são diários, e uma invasão aeronaval nazista é iminente.
O primeiro-ministro W. Churchill pede ao rei George VI que vá para o Canadá.
Tranquilo, o rei avisa que não vai.
Churchill insiste: então que, ao menos, vá a rainha com as filhas. Elas não aceitam e a filha entra no exército britânico; como 'Tenente-Enfermeira', e, sua função é recolher feridos nos bombardeios.
Hoje ela é a 'Rainha Elizabeth II'.
Brasília, 2005.
A primeira-dama (? que nada faz para justificar o título) Marisa Letícia, requer 'cidadania italiana' - e consegue.
Explica, candidamente, que quer 'um futuro melhor para seus filhos'.
E O FUTURO DOS NOSSOS FILHOS, CIDADÃOS E TRABALHADORES BRASILEIROS?
Washington, 1974.
A imprensa americana descobre que o presidente Richard Nixon está envolvido até o pescoço no caso Watergate. Ele nega, mas jornais e o Congresso o encostam contra a parede, e ele acaba confessando.
Renuncia nesse mesmo ano, pedindo desculpas ao povo.
Brasília, 2005.
Flagrado no maior escândalo de corrupção da história do País, e tentando disfarçar o desvio de dinheiro público em caixa 2, Lula é instado a se explicar.
Ante as muitas provas, Lula repete o 'eu não sabia de nada', e ainda acusa a imprensa de persegui-lo.
Disse que foi 'traído', mas não conta por quem.
Londres, 2001.
O filho mais velho do primeiro-ministro Tony Blair é detido, embriagado, pela polícia.
Sem saber quem ele é, avisam que vão ligar para seu pai buscá-lo.
Com medo de envolver o pai num escândalo, o adolescente dá um nome falso.
A polícia descobre e chama Blair,' que vai sozinho à delegacia buscar o filho'.
Pediu desculpas ao povo pelos erros do filho.
Brasília, 2005.
O filho mais velho de Lula é descoberto recebendo R$ 5 milhões de uma empresa, financiada com dinheiro público. Alega que recebeu a fortuna vendendo sua empresa, de fundo de quintal, que não valia nem um décimo disso.
O pai, raivoso, o defende e diz que não admite que envolvam seu 'filhinho nessa sujeira'? ? ?
Nova Délhi, 2003.
O primeiro-ministro indiano pretende comprar um avião novo para suas viagens.
Adquire um excelente, brasileiríssimo 'EMB-195', da 'Embraer', por US$ 10 milhões.
Brasília, 2003.
Lula quer um avião novo para a presidência. Fabricado no Brasil não serve.
Quer um dos caros, de um consórcio franco-alemão. Gasta US$ 57 milhões e,
AINDA, manda decorar a aeronave de luxo nos EUA. 'DO BRASIL NÃO SERVE'.

E você, já decidiu o que vai fazer nos próximos minutos?
Vamos repassar este post para os nossos contatos!
Vamos dar ao BRASIL uma nova chance!
Ele precisa voltar para o caminho da dignidade.
Nós não merecemos o desgoverno que se instalou em nosso País e temos a OBRIGAÇÃO de acordar e nos posicionar antes que seja tarde.
'O que mais preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons.'
Martin Luther King

‘O estrago que ‘madame’ fez em nome de Lula’


PUBLICADO NO ESTADÃO 

JOSÉ NÊUMANNE

Na entrevista coletiva em que foi apresentado como técnico da seleção nacional, Luiz Felipe Scolari fez uma brincadeira sobre a pressão sofrida por qualquer ocupante de seu novo emprego. “Se não quer pressão é melhor não jogar na seleção, vão trabalhar no Banco do Brasil”, disse ao completar a declaração de que ganhar a Copa de 2014 é uma obrigação. Bastou isso para que o mundo desabasse sobre sua cabeça. Apesar de ser esta notoriamente dura, seu dono, o autor da graçola, submetido a críticas de sindicatos de bancários e diretores e funcionários do BB, terminou pedindo desculpas em público.
O autor destas linhas é do tempo em que passar no concurso para o Banco do Brasil era quase como ganhar na loteria da Caixa Econômica Federal. Perceba que a sorte neste país está sempre sob chancela estatal. Emprego estável garantido, prestígio social e, como insinuou Felipão, vida mansa. Hoje já não se pode dizer o mesmo, mas também não é uma ocupação de que alguém venha a arrepender-se algum dia, principalmente diante das vicissitudes da economia, que às vezes provocam dores de cabeça nos assalariados da iniciativa privada, mas nunca prejudicam as evidentes vantagens de quem vive sob os auspícios da viúva.
De pouco adiantou o currículo do técnico, o último a dirigir uma seleção brasileira campeã do mundo, em 2002, na Ásia: ele teve de ajoelhar no milho e se penitenciar perante a corporação. Logo depois de seu triunfo, a gestão federal do Partido dos Trabalhadores (PT) empreendeu um esquema de compra de votos de bancadas aliadas para apoiar projetos no Congresso Nacional. E parte do dinheiro que usou foi surrupiado dos cofres do banco cuja honra foi agora defendida com tanto denodo por seus funcionários. O então diretor de Marketing nomeado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Henrique Pizzolato, mandou depositar R$ 73,9 milhões nas contas das agências publicitárias mineiras DNA, Graffiti e SMPB, que os repassaram em forma de propina a partidos e políticos da base.
Condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a 12 anos e 7 meses de prisão, o ex-funcionário de carreira e petista da linha de frente terá de amargar pelo menos 2 anos e 1 mês numa cela e pagar R$ 1,3 milhão de multa. É muito dinheiro, mas praticamente nada comparado com o total que se sabe que foi furtado. O companheiro pisoteou e jogou no lixo a credibilidade de uma instituição financeira com mais de 200 anos de existência e excelente reputação no mercado financeiro mundial. Seus colegas e correligionários, entretanto,preferiram execrar a Justiça pela sentença que condenou o ladrão à merecida prisão e reclamar do técnico da seleção pela piada, que nem é das mais pesadas.
Tão zelosa em negar os próprios privilégios, a corporação do BB nunca se mostrou particularmente interessada em salvaguardar a boa imagem dela. Ao desbaratar a quadrilha dos “bebês da Rosemary”, os irmãos Vieira, que compraram as graças da ex-chefe do gabinete da Presidência da República em São Paulo, Rosemary Nóvoa de Noronha, a Polícia Federal (PF) comprovou isso. Pois constatou que essa senhora, acusada de desvio de conduta na Operação Porto Seguro, conseguiu que Luiz Carlos Silva, presidente da empresa Cobra, braço tecnológico do BB, contratasse a New Talent, de João Vasconcelos, marido da moça, e seu genro, Carlos Alexandre Damasco Torres. Assinado em maio de 2010, quando o vice-presidente de tecnologia do BB era José Luiz Salinas, o contrato levou em conta um atestado de capacidade técnica que os agentes federais presumem ser falso. Genuína mesmo era a ligação de Salinas com José Dirceu, o ex-chefe da Casa Civil de Lula, como Pizzolato condenado (por corrupção ativa e formação de quadrilha), e com o ex-presidente do PT Ricardo Berzoini, que o apadrinharam para o cargo. Salinas, hoje na Ásia, era também frequentador habitual do gabinete de “madame Rosemary”.
Ainda há tempo para a corporação do BB protestar contra a malsinada influência em créditos evidentemente desastrosos, que também comprometem a credibilidade do banco público, mas nem a Velhinha de Taubaté acredita nessa hipótese. Pois os indignados com a gracinha do sisudo Felipão nunca vieram a público reclamar do aparelhamento promovido pelo PT dos bancários Berzoini e Luiz Gushiken na antes respeitável instituição financeira. Ao contrário, todos neste momento estão empenhados em encontrar uma desculpa qualquer, similar à do caixa 2 de campanha, com a qual tentaram desacreditar o julgamento do mensalão.
Enquanto isso, dirigentes do PT, falsos ingênuos e blogueiros ditos progressistas fazem de tudo para desmoralizar pelo menos um dos responsáveis pela condenação dos companheiros Dirceu e José Genoino. A bola da vez não é o ex-presidente do STF Carlos Ayres de Brito nem o atual chefe máximo do Judiciário e relator do julgamento, Joaquim Barbosa, mas Luiz Fux.
O ministro está sendo acusado à boca pequena, como é comum no gulag de intrigas do PT, de ter-se comprometido a absolver os mensaleiros em troca da vaga no SupremoA calúnia não se apoia em documentos nem na lógica e padece de um defeito de origem: quem mereceria recriminação, um jurista que aceita chegar ao topo da carreira renegando a independência e a honra de julgador ou um estadista que seja capaz de exigir dele tal promessa? A pergunta nem merece resposta, tão implausível é a injúria.
Mas há outras duas que não podem ser caladas. Qual a pior hipótese: a de uma secretária de luxo ter poderes para nomear e promover usando o santo nome do ex-presidente Lula em vão, sendo sempre atendida, ou a de este avalizar seus pedidos? Seria pior para a República o advogado-geral da União fazer tráfico de influência ou ele nunca ter percebido a quadrilha operando no gabinete ao lado, de um amigo que promoveu?
Pelo visto, o mensalão é pinto comparado com o estrago feito pela madame em nome de Lula.

O titanic do PT pronto para afundar

Um descuido (ou aposta na impunidade) fez com que viesse à tona o informe, que circula pela internet, de que, numa viagem de Lula a Portugal, Doutora Rosemary Nóvoa Noronha teria levado, na “mala diplomática”, 25 milhões de Euros. O valor, que teria sido declarado à receita portuguesa, seguiu em carro forte para depósito na agência central do Banco Espírito Santo, na cidade do Porto. A PF sabe que vários condenados no Mensalão – e um dos milagrosamente absolvidos – têm movimentadíssima conta corrente no BES português.

A imperícia foi que Rose mandou fazer o depósito tendo Luiz Inácio Lula da Silva como o possível beneficiário de um seguro que fora feito para evitar “algum sinistro” com tanto dinheiro. Se os dados da Aduana do aeroporto internacional Francisco de Sá Carneiro forem confirmados oficialmente, o bebê de Rosemary vai sofrer um aborto político. O Procurador Geral da República, Roberto Gurgel, já pensa em pedir a prisão preventiva de Rosemary e intimar seu amigo Lula para dar explicações oficiais sobre tudo que envolve o Rosegate.

Um outro descuido, cometido por outro amigo de Rosemary, também detectado pela Polícia Federal, é guardado em estranho sigilo. Sete meses atrás, mesmo usando indevidamente as facilidades da “área reservada a autoridades”, o consultor e advogado José Dirceu de Oliveira e Silva teve um probleminha no embarque internacional do Aeroporto Internacional de Guarulhos. Um servidor da Receita Federal resolveu apreender 35 mil Euros que ele levaria a uma viagem à Europa. O preço pago pelo ousado funcionário foi ganhar uma promoção: acabou transferido para o Aeroporto dos Guararapes, em Recife. Dirceu só ficou sem a grana em excesso que levava.

O fato mais grave de todos é que a Presidenta Dilma Rousseff – mesmo não envolvida ou beneficiada por tais maracutaias – têm pleno domínio de todos estes fatos sigilosos. Tanto que uma das cinco facções com poder na Polícia Federal já vaza que a Operação Porto Seguro estava programada para acontecer em setembro. Mas a cúpula da PF recebeu “uma ordem de cima” para nada fazer naquele momento, porque tumultuaria a situação política eleitoral. Torna-se ridícula a tentativa de o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, negar que a quadrilha atuasse na Presidência da República. Rosemary era chefe de gabinete da PR em São Paulo por indicação do bem amado Lula e por conveniência (ou conivência) da Presidenta Dilma Rousseff.

Rosemary não teve a prisão preventiva decretada pela Justiça Federal, na deflagração da Operação Porto Seguro, simplesmente porque houve um movimento – que falhou – para que seu nome nem viesse à tona nesta primeira fase de investigações. Ficaria no famigerado “segredo judicial”. Mas como a operação envolveu também agentes de informação das Forças Armadas, ficou impossível esconder quem era Rosemary e o que ela representava, de verdade, para o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Rosemary terá de explicar como utilizava um passaporte exclusivo de membros do primeiro escalão governamental para viagens de negócio ao exterior que fazia sem a presença do amigo Lula. Serviços de inteligência das Forças Armadas receberam informes de que Rose participaria de negócios com diamantes em pelo menos cinco países: Bélgica, Holanda, França, Inglaterra e Alemanha. As pedras preciosas seriam originárias de negócios ocultos feitos pela cúpula petralha na África, principalmente Angola. Tal informação também foi passada à PGR pelos militares.

Foram detectadas dezenas de viagens não-oficiais de Rosemary ao exterior, para "passeios de negócios". O passaporte especial a denunciou. Foram 23 para a França. Para Suíça, ocorreram 18, por via terrestre, partindo de Paris, e mais quatro por via aérea. Rose também fez 12 deslocamentos de avião para a Inglaterra. Outras sete viagens para o Caribe e os Estados Unidos, aconteceram de navio – de acordo com a inteligência militar brasileira. Tais informações sigilosas sobre o Rosegate não aparecem nas 600 páginas do inquérito da Operação Porto Seguro.

O temor petralha é que o destino deles está nas mãos do Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel – a quem os “gênios” do PT tentaram indiciar na CPI do Cachoeira, mesmo sabendo que o procurador nada tem com o empresário de jogos Carlos Augusto Ramos. Gurgel tem tudo para decidir que a Operação Porto Seguro será mais um caso para o Supremo Tribunal Federal, por envolver autoridades com prerrogativa de foro privilegiado. De imediato, Gurgel deve pedir a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico de Lula & família, mesmo sabendo que nem tudo deve ser descoberto.

Gurgel tem tudo para pedir a prisão preventiva de Rosemary – que só os íntimos amigos petistas sabem por onde anda. Rose só não foi presa inicialmente por sua intimidade com o poderoso Lula. Exatamente por isso, agora, ele deve prestar contas à Justiça. Gurgel já tem documentos que confirmam como a ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo agia com respaldo de Lula, principalmente nas viagens internacionais que fazia em companhia dele ou não, portando passaporte especial privativo de autoridades diplomáticas. E, também, como Rose ainda atuava em sintonia com José Dirceu, José Genoíno e demais figuras de proa condenadas na Ação Penal 470 do Supremo Tribunal Federal.

A imagem do governo Dilma será afetada diretamente pelo Rosegate. No teatro, até agora, ela tem se saído bem. Seus marketeiros venderam a falsa imagem de que ela demitiu Rose – quando, na verdade, o Diário Oficial da União publicou a conveniente expressão “exoneração a pedido” (da própria exonerada). Mas Dilma só terá mesmo problemas sérios se a economia atrapalhar. Governos suportam denúncias de corrupção, mas não resistem em tempos de agravamento de crise econômica.

Luiz Inácio Lula da Silva também tem um fim de carreira tenebroso. E a desgraça dele começa em casa. Mesmo que Marisa Letícia venha a público com a conversa de que ele é um sujeito família e que nada houve entre ele e Rosemary, o casamento fica, no mínimo, estremecido com a midiática fofocagem – inclusive internacional – sobre a relação Lula-Rose. Mas o grande temor dos amigos de Lula é com a saúde dele. Tratamento pós-câncer não combina com pressões psicológicas como as que ele vem sofrendo agora.

O mito Lula vive seu momento mais infernal. E tudo pode ficar ainda pior se o Procurador-Geral da República cumprir o dever... O que não ocorreu no processo do Mensalão, porque não convinha às ocultas forças internacionais que controlam o Brasil de verdade. Mas agora, como Lula nada mais é que um ex-Presidente, sem foro privilegiado ou imunidade parlamentar, a casa do mito tem tudo para ruir.

Pelo menos para a cúpula do PT, parece que a famosa Profecia Maia sobre o “fim do mundo” já é uma realidade bem concreta.
Diferenças fundamentais

O craque Jorge Bastos Moreno, de O Globo, revelou ontem que o ex-presidente João Baptista de Oliveira Figueiredo, último dos presidentes da tal da dita-dura, tinha uma namorada secreta.

A grande diferença é que a empresária Myriam Abicair, que hoje é dona do badalado spa “Sete Voltas, em Itatiba, sempre foi tratada por Figueredo como “namorada” – e não como mera “amante”.

Outra diferença é que Myrian nunca entrou na aeronave presidencial, nunca teve cargo no governo, nunca fez parte de quadrilha para praticar tráfico de influência em benefício de empresas que fazem negócios com o governo e pagam mensalões, nem nunca se meteu com o complicado e perigoso negócio de venda internacional de pedras preciosas...

A conclusão a que se chega é que já não se fazem mais namoradinhas de presidentes como antigamente...

CARGA SUPER EXPLOSIVA VAI DETONAR A PARTIR DO DIA 1/3/2013 -



 A Presidenta sabia, demitiu Sérgio Gabrielli, mas falou no assunto ...
Se juntar o mensalão + o caso da amante Rose, não chega a um décimo da bomba que vai explodir... 

Os grandes cogestionamentos de trânsito estão com os dias contados!

Desde que Sérgio Gabrielli, o buliçoso ex-presidente da Petrobras, deixou a empresa, os esqueletos não param de pular do armário. A presidenta Dilma Rousseff o pôs para correr . Ele se alojou na Secretaria de Planejamento da Bahia e é tido como o provável candidato do PT à sucessão de Jaques Wagner. Dilma, é verdade, nunca gostou dele, desde quando era ministra. A questão pessoal importa menos.

Depois de ler o que segue, é preciso responder outra coisa: o que ela pretende fazer com as lambanças perpetradas na Petrobras na gestão Gabrielli? Uma delas, apenas uma, abriu um rombo na empresa que passa de UM BILHÃO DE DÓLARES. Conto os passos da impressionante reportagem de Malu Gaspar na VEJA desta semana. Prestem atenção!

1: Em janeiro de 2005, a empresa belga Astra Oil comprou uma refinaria americana chamada Pasadena Refining System Inc. por irrisórios US$ 42,5 milhões. Por que tão barata? Porque era considerada ultrapassada e pequena para os padrões americanos.

2 : ATENÇÃO PARA A MÁGICA  No ano seguinte, com aquele mico na mão, os belgas encontraram pela frente a generosidade brasileira e venderam 50% das ações para a Petrobras. Sabem por quanto? Por US$ 360 milhões! Vocês entenderam direitinho: aquilo que os belgas haviam comprado por US$ 22,5 milhões (a metade da refinaria velha) foi repassado aos brasileiros bonzinhos por US$ 360 milhões. 1500% de valorização em um aninho. A Astra sabia que não é todo dia que se encontram brasileiros tão generosos pela frente e comemorou: Foi um triunfo financeiro acima de qualquer expectativa razoável.

3  Um dado importante: o homem dos belgas que negociou com a Petrobras é Alberto Feilhaber, um brasileiro. Que bom! Mais do que isso: ele havia sido funcionário da Petrobras por 20 anos e se transferiu para o escritório da Astra nos EUA. Quem preparou o papelório para o negócio foi Nestor Cerveró, à frente da área internacional da Petrobras. VEJA viu a documentação. Fica evidente o objetivo de privilegiar os belgas em detrimento dos interesses brasileiros. Cerveró é agora diretor financeiro da BR Distribuidora.

Calma! O escândalo mal começou!

Se você acha que o que aconteceu até agora já dá cadeia, é porque ainda não sabe do resto.

4 A Pasadena Refining System Inc., cuja metade a Petrobras comprou dos belgas a preço de ouro, vejam vocês!, não tinha capacidade para refinar o petróleo brasileiro, considerado pesado. Para tanto, seria preciso um investimento de mais US$ 1,5 bilhão! Belgas e brasileiros dividiriam a conta, a menos que…

5  … a menos que se desentendessem! Nesse caso, a Petrobras se comprometia a comprar a metade dos belgas  aos quais havia prometido uma remuneração de 6,9% ao ano, mesmo em um cenário de prejuízo!!!

6 E não é que o desentendimento aconteceu??? Sem acordo, os belgas decidiram executar o contrato e pediram pela sua parte, prestem atenção, outros US$ 700 milhões. Ulalá! Isso foi em 2008. Lembrem-se de que a estrovenga inteira lhes havia custado apenas US$ 45 milhões! Já haviam passado metade do mico adiante por US$ 360 milhões e pediam mais US$ 700 milhões pela outra. Não é todo dia que aparecem ou otários ou malandros, certo?

7  É aí que entra a então ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, então presidenta do Conselho de Administração da Petrobras. Ela acusou o absurdo da operação e deu uma esculhambada em Gabrielli numa reunião. DEPOIS NUNCA MAIS TOCOU NO ASSUNTO.

8  A Petrobras se negou a pagar, e os belgas foram à Justiça americana, que leva a sério a máxima do pacta sunt servanda. Execute-se o contrato. A Petrobras teve de pagar, sim, em junho deste ano, não mais US$ 700 milhões, mas US$ 839 milhões!!!

9  Depois de tomar na cabeça, a Petrobras decidiu se livrar de uma refinaria velha, que, ademais, não serve para processar o petróleo brasileiro. Foi ao mercado. Recebeu uma única proposta, da multinacional americana Valero. O grupo topa pagar pela sucata toda US$ 180 milhões.

10 Isto mesmo: a Petrobras comprou metade da Pasadena em 2006 por US$ 365 milhões; foi obrigada pela Justiça a ficar com a outra metade por US$ 839 milhões e, agora, se quiser se livrar do prejuízo operacional continuado, terá de se contentar com US$ 180 milhões. Trata-se de um dos milagres da gestão Gabrielli: como transformar US$ 1,199 bilhão em US$ 180 milhões; como reduzir um investimento à sua (quase) sétima parte.

11 Graça Foster, a atual presidenta, não sabe o que fazer. Se realizar o negócio, e só tem uma proposta, terá de incorporar um espeto de mais de US$ 1 bilhão.

12  Diz o procurador do TCU Marinus Marsico: "Tudo indica que a Petrobras fez concessões atípicas à Astra". Isso aconteceu em pleno ano eleitoral.

13  Dilma, reitero, botou Gabrielli pra correr. Mas nunca mais tocou no assunto.
Encerrou.

Durante a campanha eleitoral de 2010, o então presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, fez propaganda de modo explícito, despudorado. Chegou a afirmar, o que é mentira descarada, que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, durante a sua gestão, tinha planos de privatizar a Petrobras.
Leram o que vai acima? Agora respondam: quem privatizou a Petrobras? E noto, meus caros: empresas privadas não são tratadas desse modo porque seus donos ou acionistas não permitem. A Petrobras, como fica claro, foi privatizada, sim, mas por um partido. Por isso, foi tratada como se fosse terra de ninguém.

======================

Envolvimento direto no dossiê cubano contra Yoani Sánchez pode custar a cabeça de Gilberto Carvalho


Edição do Alerta Total


Por Jorge Serrão – serrao@alertatotal.net
Uma das figuras mais poderosas do governo Lula-Dilma, o ministro Gilberto Carvalho, cometeu uma das maiores burradas dos últimos tempos e está com a cabeça a prêmio para ser detonado da Secretária-geral da Presidência da República. Documentos internos demonstram que Carvalho foi o operador do jogo-imundo para tentar desmoralizar a blogueira cubana Yoani Sánchez em sua viagem ao Brasil. O chanceler Antônio Patriota também acabou envolvido na trama. Claro, quem está por trás de Carvalho é o chefão Luiz Inácio Lula da Silva – que agiu a pedido dos irmãos Fidel e Raul Castro - seus amigos e parceiros.

O que seria um simples e covarde ato radicalóide de jovens petralhas contra a jovem dissidente cubana agora se transforma em um incidente diplomático e tem tudo para evoluir para uma crise política interna. No Senado, já circulavam ontem documentos comprovando que o ato contra Yoani foi organizado por um assessor de confiança de Carvalho: Ricardo Poppi Martins, coordenador de novas mídias da Secretaria-Geral da Presidência. Entre senadores de oposição, comentava-se ontem de um telefonema (ilegalmente captado pela arapongagem de Brasília) entre Poppi e Carvalho acertando detalhes da operação anti-Yoani.

O caso foi destaque da revista Veja de fim de semana, na reportagem “O dossiê da Vergonha”. Nela foi revelado que Poppi participou, no dia 6 de fevereiro, de uma reunião na Embaixada de Cuba em Brasília, na qual o embaixador Carlos Zamora Rodriguez mobilizou jovens militantes do PT, PC do B e da CUT para a missão de “contrainformação” destinada a “desmascarar a mercenária financiada pelo governo dos Estados Unidos para trabalhar contra a revolução cubana, contra o povo e contra os trabalhadores”.

Poppi não apenas ganhou um CD do embaixador cubano com o dossiê de 235 páginas, com fotos supostamente comprometedoras de Yoani, tudo produzido pelo famigerado G2 (o serviço secreto cubano). O assessor de Gilberto Carvalho conseguiu até um favor especial do chanceler Antonio Patriota, para a obtenção, em tempo recorde, de um visto de viagem para Cuba – tudo financiável pelo providencial cartão de crédito da Presidência. Poppi viajou para aprender em Cuba técnicas de “ciberguerra” e “novas formas de comunicação de rede e batalhas políticas”.  O que já tinha sido divulgado pela Veja ficou ainda mais grave pelo comprovado uso da máquina pública brasileira para uma artimanha da ditadura cubana.

O escândalo do dossiê teve um outro capítulo providencialmente censurado pelo governo brasileiro. No sábado, vazou a informação de que a Polícia Federal deteve para averiguação, no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, sete cubanos vindos da Venezuela, com destino a Recife, por onde Yoani chegaria ao Brasil. Carregando equipamentos de comunicação na bagagem, eles foram identificados como agentes do G2 cubano. Estavam escalados para monitorar a viagem da blogueira. O incidente foi oficialmente abafado na PF e na Agência Brasileira de Inteligência – como se nem tivesse ocorrido, bem aos moldes das ditaduras de décima terceira categoria.

O senador Alvaro Dias (PSDB-PR) tem tudo para pedir a convocação de Carvalho e de Patriota para deporem na Comissão de Relações Exteriores do Congresso. Mesmo que a base amestrada consiga barrar a convocação deles, o estrago contra Carvalho já está feito. Como um assessor direto dele aparece como um dos operadores do jogo imundo contra Yoani, o “cardeal de Lula” (assim chamado por ser católico fervoroso) não tem mais condições éticas e morais de ser o super assessor e eminência parda da Presidenta Dilma-Lula Rousseff.

Mais uma vez, fica evidente o dedinho de Lula no vergonhoso esquema contra Yoani. Até porque, semana retrasada, o ex-Presidente brasileiro esteve em Cuba para conversinhas com seus amigos do Foro de São Paulo, Fidel e Raul Castro. Lula viajou a Cuba no jatinho da Odebrecht – certamente uma gentileza de Marcelo Odebrecht – cuja empreiteira tem grandes obras na ilha que é o paraíso das ilusões perdidas do comunismo.

Como Gilberto Carvalho sempre fez tudo que Lula lhe pediu, a ação contra Yoani foi apenas mais uma ação que lhe deu prazer de servir ao eterno e amado chefão. A diferença é que o favor de agora pode forçar a Presidenta Dilma a demiti-lo, mesmo contra a própria vontade...

As normas, o óbvio e as consequências


Ernesto Caruso, 25/02/2013

         A tragédia de Santa Maria/RS na boate beijo da morte suscitou muito debate entre autoridades, especialistas e jornalistas, com ênfase no alvará vencido ou não, fora da realidade demonstrada nos vídeos, fotos, fachada (antes e depois), ambientes internos, lamentos e dor de quem perdeu entes queridos e sofrimento dos que estão nos leitos dos hospitais feridos pela ação, omissão e negligência de agentes aliados à ganância pessoal.
         O alvará vencido em agosto de 2012 é ponto negativo para os responsáveis pelo estabelecimento e para a fiscalização que não cumpriu com o dever de multar e lacrar a casa de diversão, ao que consta, recebia mais de mil frequentadores. Injustificável alegar que são poucos funcionários e muitos estabelecimentos para inspecionar, especialmente após o advento da informática que pode gerar relatórios periódicos dos alvarás vencidos com muita facilidade.
         Mas, e aí? Mesmo que o tal documento — válido ou não — estivesse estampado na face da boate ao lado do Kiss, iluminado por vela, neon ou lêiser, que todos pudessem ler e decidir “entro ou não entro”, teria impedido o fogo e a frustrada tentativa de fugir da morte estúpida?
         Claro que não, imagino a resposta. O “papel documento” é importante, mas a responsabilidade de quem assina é muito mais. O servidor público probo deve avaliar todas as variantes de segurança que cada caso requer. A realidade demonstrou com o sacrifício de muitas vidas (239) que as instalações e o local da boate não eram adequados. Uma única porta de entrada e saída, sem outras rotas de escape.
         Ora, ficar o debate circunscrito à largura da porta e o que a norma prevê fica longe da constatação, quando dois rapazes estão a cortar a parede espessa e resistente com picareta e com muito pouco rendimento, no lugar dos bombeiros em número insuficiente. Parede antes revestida por lambris a encobrir os basculantes com armações de ferro como mais um obstáculo.  Voluntários com muito desgaste físico, inalando fumaça, sem máscara e sem a formação profissional específica, com nítida escassez de meios dos Bombeiros/RS. Um incêndio de pequena monta e de muitas mortes!
Se a avaliação fosse bem feita, não haveria tanta desgraça apesar da eventualidade do incêndio. Saídas de emergência impõem alternativas que o prédio não dispõe, como corredores laterais, indeferindo-se o pedido de licenciamento para ali funcionar uma casa noturna/espetáculos. A planta de arquitetura tem que se adequar ao mínimo de segurança exigido para cada atividade. Um especialista em coisa nenhuma tirava dez reprovando a tal casa.
Considerar ainda a relação entre o baixíssimo custo da avaliação inicial, mas com maior responsabilidade, claro, e, o elevado custo para combater e neutralizar o fogo, socorrer as vítimas, prover assistência médica em Santa Maria (92), transportar os mais graves para Porto Alegre (30) a sobrecarregar os hospitais pessimamente atendidos pelo SUS, plano de saúde do povo brasileiro, que mensalmente contribui, sofre nas filas e nas macas pelos corredores. Como informado pelo piloto da FAB foram feitas cinco viagens transportando as vítimas. Até países vizinhos como a Argentina e o Uruguai enviaram pele para os queimados.
 Presentes a dor e o sofrimento pela perda de gente tão jovem envolvida no lazer, na diversão, nas comemorações, na alegria, no amor, nos primeiros passos do namoro, da caminhada de sonhos, na vida prosseguir, como de uma senhora que recém viúva, chora a morte de dois filhos.
Quem foi o responsável por toda essa desgraça? Deve estar com dor na consciência de olhar seus filhos vivos e chorar escondido pelos filhos dos outros que agonizaram momentos de pânico. E os co-responsáveis? Que não fiquem impunes.
Que não se restrinjam aos despreparados porteiros encarregados de recolher a comanda. Que frutifique o ensinamento na cabeça dos políticos, governantes e servidores públicos de qualquer nível, dos maiores que administram orçamentos e com suas assinaturas podem contribuir com a morte de milhares de cidadãos privados do mínimo de saúde, esgoto, água potável, até os que assinam certificados, laudos e alvarás nas cidades.
Justiça como meio; ética, civilidade e aprimoramento dos costumes como fim. Força às famílias enlutadas, orações pelos mortos e para recuperação dos feridos, onze ainda em estado grave. Louvor aos heróis que salvaram vidas e a outros, mártires da incompetência do Estado.

terça-feira, fevereiro 19, 2013

POBRE BRASIL


POBRE (e infeliz desse país chamado) BRASIL

Revista Veja - Carta ao Leitor


Revista Veja - 18/02/2013

Carta ao Leitor


A indecente intromissão dos comunistas cubanos na vida política da vizinha Venezuela atingiu o estágio de matriz e colônia. Apesar da enorme e indevida reverência que alguns petistas nutrem pela entrevada ditadura dos irmãos Castro,Brasília vinha se mantendo fora da área de ação dos cubanos. O Brasil não podia ser descrito como um país-satélite de Havana, a despeito de alguns episódios degradantes ocorridos durante o governo Lula — o mais condenável deles foi a prisão dos lutadores de boxe cubanos em busca de asilo no Brasil, que, em total desrespeito aos direitos humanos, foram entregues à soldadesca política da dinastia Castro. Uma reportagem desta edição mostra que o campo de força contra a perniciosa influência cubana no Brasil é cheio de furos.
Os repórteres de VEJA descobriram que alguns integrantes do PT e gente poderosa do Palácio do Planalto entraram em conluio com Havana para tentar desqualificar a blogueira cubana dissidente Yoani Sánchez, que, depois de intensa pressão internacional, recebeu permissão do governo para deixar a ilha e visitar o Brasil. Yoani é uma lutadora solitária contra a ditadura dos irmãos Castro. Ela envia suas mensagens e pedidos de socorro por meio de um blog, que durante muito tempo só ficou no ar graças ao trabalho de voluntários no exterior. A vinda dela ao Brasil é motivo de orgulho para todos os brasileiros — com exceção, é certo, de alguns altos funcionários do Planalto.
A reportagem de VEJA revela que, falando em nome do governo, esses serviçais
foram convocados à Embaixada de Cuba em Brasília, onde receberam cópias de um dossiê em que, tolamente, registre-se. Yoani é acusada de ir à praia em Cuba, tomar cerveja e aceitar dinheiro associado a alguns de seus cobiçados prêmios internacionais — entre eles o Ortega y Gasset, da Espanha, e o Príncipe Claus, da Holanda —, concedidos a destacados defensores da liberdade de expressão.
Seria só mais um servicinho sujo prestado a Havana, não fosse o fato, este sim estarrecedor, de os funcionários brasileiros terem se mostrado solícitos e coniventes inclusive com a rede de espionagem cubana armada em território brasileiro para bisbilhotar os encontros de Yoani no país.
É preciso que alguém com juízo no governo enquadre urgentemente os cubanófilos militantes e os informe de que o Brasil não é, ainda, quintal de Havana.
Comentário: 
- No dia 6 de fevereiro, o embaixador de Cuba no Brasil, Carlos Zamora Rodríguez, reuniu um grupo de militantes do PT e do PC do B na embaixada do seu país, em Brasília, para passar um dossiê — e como os petistas gostam disso, não é? — desqualificando Yoani Sánches, acusada de ser “uma mercenária, financiada pelo governo dos Estados Unidos para trabalhar contra a Revolução Cubana, contra o povo, contra os trabalhadores”. Cada um dos convidados recebeu um disquete contendo o material e uma recomendação: o dossiê tinha de circular na Internet, mas sem divulgar a origem das informações.
- Diversos sites pró-Cuba, jornais/jornalistas cooptados, petralhas, vermelhos e simpatizantes do Barbudo estão agora difundindo essas mentiras e ataques contra Yoani, seguindo as ordens do “partido”; são antidemocráticos e traidores da liberdade de expressão. Porque não vão viver no “paraíso” cubano?
- Se havia alguma dúvida quanto à consistência da denúncia de VEJA, o bando de vagabundos presentes à recepção a Yoani no Recife, em Salvador e Feira de Santana ─ mix de estudantes profissionais, funcionários públicos petistas disfuncionais e desocupados ocupacionais, quase todos analfabetos manobráveis e incapazes de localizar Cuba num mapa-múndi ─ tratou de legitimá-la, da maneira mais grotesca possível. Merecem um idílio em Havana, com os bolsos forrados dos dólares de fancaria que pretenderam atirar na blogueira. E sem visto de saída.