quinta-feira, junho 11, 2015

SE NÃO É PRIVATIZAÇÃO, ENTÃO O QUE É?

 CONCESSÃO EU ME LEMBRO MUITO BEM ... 

A construtora Camargo Corrêa pagou R$ 3 milhões para o Instituto Lula e R$ 1,5 milhão para a LILS Palestras Eventos e Publicidade, empresa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, entre 2011 e 2013, de acordo com informações do jornal Estado de São Paulo. É a primeira vez que os negócios do petista aparecem nas investigações da Operação Lava-Jato, que apura um esquema corrupção e cartel na Petrobras.

A perícia foi realizada na contabilidade da Camargo Corrêa de 2008 a 2013, período em que a empreiteira recebeu R$ 2 bilhões da Petrobras. O documento mostra que a construtora repassou R$ 183 milhões em "doações de cunho político", destinadas a candidaturas e partidos da situação e da oposição.O Instituto Lula, criado pelo ex-presidente após deixar o Planalto, em 2011, recebeu três pagamentos de R$ 1 milhão cada. Dois são registrados como "Doações e Contribuições": um em 2 de dezembro de 2011 e outro de 11 de dezembro de 2013. O que chamou a atenção dos investigadores foi o lançamento de 2 de julho de 2012, sob a rubrica "Bônus Eleitoral".

No caso dos pagamentos ao LILS, cujo endereço declarado é a própria residência de Lula, em São Bernardo do Campo, a empreiteira registrou o deposito em conta corrente de R$ 337,5 mil, em 26 setembro de 2011, R$ 815 mil, em 17 de dezembro de 2012, e R$ 375,4 mil, em 26 de julho de 2013. Esses valores, que somam R$ 1,5 milhão, são tratados pela empreiteira como serviços de "consultoria".

O que falta para levar o Lula para Curitiba?

De resto, estão promovendo a privatização de estradas, aeroportos, e obras que prometeram e não fizeram,....tudo o que criticavam nos outros governos.


09-06-15-charge-grande

quarta-feira, junho 10, 2015

ALGO DE MUITO SÉRIO ESTÁ ACONTECENDO...

AS PERGUNTAS DO BRASIL , PARA A PRESIDENTE DILMA:

- Porque OS SENEGALESES ENTRAM PELO ACRE, SE VEM PELO OCEANO ATLÂNTICO, DA ÁFRICA?

- E OS HAITIANOS POR QUE NÃO VÃO PARA CUBA QUE FICA BEM MAIS PERTO QUE O BRASIL?

- TODOS ESTÃO VINDO DE CUBA?

- POR QUE SÓ VEM HOMENS NESSA "IMIGRAÇÃO FORJADA"?



ALGO DE MUITO SÉRIO ESTÁ PARA ACONTECER?

Onde estão as famílias destes milhares de invasores haitianos, senegaleses e congoleses? 
Só entra homem em idade militar 
com físico de militar,corte de cabelo militar?
Não entram velhos e nem crianças !
Onde estão suas famílias, seus filhos, suas mães e pais, suas namoradas, suas esposas, sobrinhos etc etc.

Estão vindo fazer turismo aqui no Brasil?
Ou estão aqui para integrar forças militares ao lado das FARC, militares Cubanos, Venezuelanos, Bolivianos, Colombianos, MST, MTST, Força Nacional, Comando Vermelho (CV) Comando da Capital (CCP)e outros do mesmo nível de bandidagem, criminalidade e terrorismo?

Nunca foi tão fácil entrar em Território Brasileiro pois as fronteiras estão escancaradas para o narcotráfico, tráfico de armas de guerra, criminosos de todos os tipos e nacionalidades.
O Brasil virou terra de ninguém ainda mais agora que pelo
UNASUL todas as Nações Sul Americanas foram unificadas na "
PÁTRIA GRANDE" COMUNISTA e para tal deixam de existir fronteiras e espaço aéreo, com o Governo Federal dando todo tipo de apoio (passaporte, cidadania, salário, bolsa família, bolsa invasor, bolsa moradia, etc. etc..) a todos os invasores do nosso Território que virou a Casa da Mãe Joana.

domingo, junho 07, 2015

Dúvidas cruéis (ou nem tanto) sobre a transcontinental Brasil-Peru

Agronegócio encara ferrovia com ceticismo

21/05/2015 - Valor Econômico

Ao menos do ponto de vista do agronegócio brasileiro, a ferrovia ligando o Brasil ao litoral do Peru - divulgada como um dos principais projetos dos acordos firmados com China nesta semana - é um empreendimento que não se justifica, tampouco um pleito do setor. "Nunca vai sair" e "se sair, não tem como ser bancada por commodities agrícolas", disse um alto executivo de uma trading, durante evento realizado ontem, em São Paulo.
A grande aposta do setor são os investimentos bilionários que estão sendo realizados no transporte por hidrovia na Região Norte do país, reforçada pela ampliação, já em curso, do Canal do Panamá.


http://www.revistaferroviaria.com.br/index.asp?InCdNewsletter=7883&InCdMateria=23386&InCdEditoria=

sexta-feira, junho 05, 2015

“Lava-Jato” comprova participação de Dilma Rousseff (PT)

“Lava-Jato” comprova participação de Dilma Rousseff (PT) em fraude da WTORRE com a Petrobras, denunciada em 2009

abril 3, 2015
Descrição: dilma charutoDescrição: walter torre
Em abril de 2009, procurados por funcionário da Camargo Corrêa, que participou da licitação, o Blog do Paulinho noticiou detalhes sobre uma fraude milionária, envolvendo a Petrobras, que beneficiou a WTORRE e lesou os cofres públicos em R$ 500 milhões.

Em resumo, orientada por Antonio Palocci, a construtora recebeu aval, proteção e orientação de Dilma Rousseff (PT) (que ocupava o cargo de Ministra da Casa Civil do Governo Lula), para, utilizando-se da ‘laranja” Estaleiro Rio Grande, sob as asas da Petrobras, vencer a disputa para a construção do primeiro Dique Seco do Brasil.
Dilma tinha livre trânsito e muita influência na governamental.
Em troca, a atual presidente da República beneficiou o PT, que recebeu propina (boa parte retirada de aditamentos fajutos da WTORRE), e a si própria, já que as obras foram realizadas no entorno de terras que pertenciam a seus parentes, com evidente valorização.
Ontem, a revista “ISTO É” noticiou que a “Operação Lava-Jato”, enfim, conseguiu comprovar o esquema, publicando também a assinatura do petroleiro Renato Duque (PT), responsável da Petrobras.
No campo “testemunhas”, encontramos os nomes de Dilma Rousseff (que era bem mais do que isso nesse negócio) e o de Luis Inacio Lula da Silva, que, espertamente, não assinou.
Descrição: dilma wtorre
“A Dilma participou de tudo… quando perdemos a licitação, reclamamos, iríamos até ingressar com ação, mas uma mensagem de Dilma para a diretoria da empresa (Camargo Corrêa) em que pedia “silêncio” sobre o episódio, garantindo benefícios futuros noutras obras do Governo, foi suficiente para resolver a questão em nossa diretoria”, revelou nossa fonte na Camargo Corrêa.
Logo após divulgarmos a operação, a WTORRE tentou, sem sucesso, intimidar o blog, pessoalmente, por intermédio do presidente da empresa, Walter Torre Junior (que foi questionado sobre a fraude, publicamente, na apresentação do negócio: Arena Palestra).
Na sequencia contamos o que sabíamos à Polícia Federal (depoimento que, certamente, pode ter servido de orientação à “Lava-Jato”) e também a um líder do PSDB (assim que procurados), antes da primeira eleição de Dilma Rousseff (PT).
Em 2014, retomamos o assunto, em resumo, com o título “Dilma e a Petrobras”, no intuito de desmentir o PT e seu Governo, que tentavam dissociar a presidente das falcatruas de empresa.

CONFIRA NO LINK ABAIXO, A MATÉRIA REVELADORA DA ISTO É, INTITULADA “COM A ASSINATURA DE DILMA”:

quinta-feira, junho 04, 2015

A caixa-preta do BNDES

 TUDO PODRE?
QUE HORROR!



Relatório obtido por ISTOÉ revela que inadimplência nos financiamentos do banco saltou de R$ 412,9 milhões para R$ 4 bilhões. Enquanto o TCU pede a abertura dos dados sigilosos da instituição, a oposição trabalha por uma CPI

Na quarta-feira 11 Fev, a oposição iniciou a coleta de assinaturas para instalar a CPI do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no Congresso. O objetivo é investigar como o banco aplicou R$ 400 bilhões em recursos da União entre 2009 e 2014. Recheia o pedido dos oposicionistas um relatório alarmante. Trata-se do último informe de gestão de riscos da instituição, destinado à análise de investidores e mercado financeiro, ao qual ISTOÉ teve acesso. De acordo com o documento, que mede operações em atraso da carteira de créditos do BNDES, o montante total de parcelas de financiamento inadimplentes saltou de R$ 412,9 milhões em junho de 2014 para R$ 4 bilhões em setembro, crescimento de 976%. No mesmo período, em 2013, a variação de um trimestre para o outro foi de R$ 126,6 milhões para R$ 132,7 milhões
As empresas são consideradas inadimplentes quando atrasam em 90 dias o pagamento mensal do empréstimo. A dívida, segundo o banco, compromete todo o fluxo da instituição fomentadora. O BNDES diz que utiliza o montante de parcelas pagas pelas empresas financiadas para conceder crédito a novos clientes. Quando as empresas deixam de pagar o boleto mensal, a instituição perde recursos e precisa recorrer à União para manter o ritmo de financiamentos. Diante desse quadro, no início de dezembro, o governo autorizou um socorro de crédito de R$ 30 bilhões ao BNDES. Dois meses depois, o Congresso foi novamente acionado para votar outra medida provisória, desta vez para ampliar em R$ 50 bilhões o limite de incentivos financeiros repassados pela União ao banco.
O BNDES é uma caixa-preta indevassável. A instituição financeira se recusa a divulgar a lista dos devedores sob a alegação de “proteção ao sigilo bancário”. O banco também se nega a informar para quem e em que condições foram concedidos os empréstimos bilionários a juros camaradas nos últimos sete anos. Intriga a oposição o fato de o salto no montante da inadimplência dos financiamentos coincidir com o depoimento do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa aos integrantes da Lava Jato. A constatação sugere que as empreiteiras envolvidas no escândalo possam integrar a lista de devedores. O banco rechaça a suspeita. “O atraso observado para prazos menores acontece por motivos diversos, operacionais ou conjunturais da empresa, e não necessariamente por dificuldades financeiras”, informou a assessoria.


Descrição: Descrição: image001.jpg@01D0647D.BF730460


 REPASSE, POR FAVOR


Partido Totalitário declara guerra aos brasileiros


Na expressão do dono do PT, sempre o ódio.

Editorial do Estadão esmiuça as "teses" do 5º Congresso Nacional do PT, a ser realizado em junho. Tais teses, diz o texto, revelam cristalinamente a ferrenha disposição petista de "não largar o osso". O PT, de fato, sempre teve uma visão meramente instrumental da democracia: usa as instituições democráticas para chegar ao poder e de lá não mais sair, se possível implantando uma ditadura. Como herdeiro das fracassadas ideias socialistas, rejeita a alternância de poder. E o magistral editorial conclui: ao explorar a imagem da guerra contra os adversários - e o povo em geral -, os petistas apenas reafirmam seu "espírito totalitário":

O PT julga que está em guerra. É o que está escrito, com todas as letras, nas "teses" apresentadas pelas diversas facções que compõem o partido e que serão debatidas no 5.º Congresso Nacional petista, em junho.
De que guerra falam os petistas? Contra quem eles acreditam travar batalhas de vida ou morte, em plena democracia? Qual seria o terrível casus belli a invocar, posto que todos os direitos políticos estão em vigor e as instituições funcionam perfeitamente?
As respostas a essas perguntas vêm sendo dadas quase todos os dias por dirigentes do PT interessados, antes de tudo, em confundir uma opinião pública crescentemente hostil ao "jeito petista" de administrar o País. O que as "teses" belicosas do partido fazem é revelar, em termos cristalinos, o tamanho da disposição petista em não largar o osso.
"Precisamos de um partido para os tempos de guerra", conclama a Articulação de Esquerda em sua contribuição para o congresso do partido. Pode-se argumentar que essa facção está entre as mais radicais do PT, mas o mesmo tom, inclusive com terminologia própria dos campos de batalha, é usado em todas as outras "teses". Tida como "moderada", a chapa majoritária O Partido que Muda o Brasil avisa que "é chegado o momento de desencadear uma contraofensiva política e ideológica que nos permita retomar a iniciativa".
A tendência Diálogo e Ação Petista conclama os petistas a fazer a "defesa dos trabalhadores e da nação", como se o Brasil estivesse sob ameaça de invasão, e diz que as "trincheiras" estão definidas: de um lado, a "direita reacionária"; de outro, os "oprimidos". A chapa Mensagem ao Partido quer nada menos que "refundar o Estado brasileiro", por meio de uma "revolução democrática" - pois o "modelo formal de democracia", este que vigora hoje no Brasil, com plena liberdade política e de organização, "não enfrenta radicalmente as desigualdades de renda e de poder".
Da leitura das "teses" conclui-se que o principal inimigo dos petistas é o Congresso, pois é lá que, segundo eles dizem, se aglutinam as tais forças reacionárias. O problema - convenhamos - é que o Congresso representa a Nação, o povo. Se o Congresso resiste a aceitar a agenda do PT, então a solução é uma "Constituinte soberana e exclusiva", cuja tarefa é atropelar a vontade popular manifestada pelo voto e mudar as regras do jogo para consolidar o poder das "forças progressistas" - isto é, o próprio PT.
Uma vez tendo decidido que vivem um estado de guerra e estabelecidos quem são os inimigos, os petistas criam a justificativa para apelar a recursos de exceção - o chamado "vale-tudo". O principal armamento do arsenal petista, como já ficou claro, é o embuste. O partido que apenas nos últimos dez anos teve dois tesoureiros presos sob acusação de corrupção, que teve importantes dirigentes condenados em razão do escândalo da compra de apoio político no Congresso e que é apontado como um dos principais beneficiários da pilhagem da Petrobrás é o mesmo que diz ter dado ao País "instrumentos inéditos" para punir corruptos. Há alguns dias, o ex-presidente Lula chegou ao cúmulo de afirmar que os brasileiros deveriam "agradecer" ao PT por "ter tirado o tapete que escondia a corrupção".
É essa impostura que transforma criminosos em "guerreiros do povo brasileiro", como foram tratados os mensaleiros encarcerados. Foi essa inversão moral que levou o governador petista de Minas, Fernando Pimentel, a condecorar o líder do MST, João Pedro Stédile, um notório fora da lei, com a Medalha da Inconfidência, que celebra a saga libertária de Tiradentes. A ofensiva dos petistas é também contra a memória nacional.
Ao explorar a imagem da guerra para impor sua vontade aos adversários - inclusive o povo -, o PT reafirma seu espírito totalitário. A democracia, segundo essa visão, só é válida enquanto o partido não vê seu poder ameaçado. No momento em que forças de oposição conseguem um mínimo de organização e em que a maioria dos eleitores condena seu modo de governar, então é hora de "aperfeiçoar" a democracia - senha para a substituição do regime representativo, com alternância no poder, por um sistema de governo que possa ser totalmente controlado pelo PT, agora e sempre.

Postado por Orlando Tambosi

PARÁBOLA!

...para pensar ... e se for o caso ... adaptar ...

Navegavam há meses e os marujos não tomavam banho nem trocavam de roupa. O que não era novidade na Marinha Mercante Britânica, mas o navio fedia! 


O Capitão chama o Imediato:
- Mr. Simpson, o navio fede, mande os homens trocarem de roupa! 


Responde o Imediato:
- Yes.....Yes, Sir...
Parte para reunir os seus homens e diz:
- Marujos !, o Capitão está se queixando do fedor a bordo e manda todos trocarem de roupa.
- David troque a camisa com John, John troque a sua com Peter, Peter troque a sua com Alfred, Alfred troque a sua com Jonathan .... e assim prosseguiu.

Quando todos tinham feito as devidas trocas, volta ao Capitão e diz:
- Sir, todos já trocaram de roupa. 


O Capitão, visivelmente aliviado, manda então prosseguir a viagem........ 



É MAIS OU MENOS ISSO QUE VAI ACONTECER NO BRASIL NAS PRÓXIMAS ELEIÇÕES..... SE VOCE DEIXAR!!!!!



"NÃO É A POLÍTICA QUE FAZ O CANDIDATO VIRAR LADRÃO.
É O SEU VOTO QUE FAZ O LADRÃO VIRAR POLÍTICO".

(Autor desconhecido)


Comunista adora dinheiro, dos outros

Que Vergonha !!!!!
 
 
 Comunista adora dinheiro,  dos outros... barbaridade tchê, só chamando o analista de Bagé !!!

Sem concurso!!!

 
PROFESSORINHA LUCIANA GENRO CONSEGUE
'BOQUINHA' NA ASSEMBLEIA GAÚCHA!!!
Descrição:  http://1.bp.blogspot.com/-SqjQnpaKevw/VNED-vt8kSI/AAAAAAAAayY/EqI6N1RIOLs/s1600/luciana%2Bboquinha.jpg
Ela mesma, a rainha da esquerda brasileira Luciana Genro.
Desde ontem é a coordenadora-geral da bancada do PSOL na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul,
Vai receber R$ 16,9 mil mensais.
Já estou com pena da Professorinha Luciana. Vai fazer a coordenação-geral de todaa bancada do PSOL.
Sabe quantos deputados têm o partido tri-de-esquerda?


UM. PEDRO RUAS.
   (Marido da Luciana)
Não, não é Piadinha. 
Comunista espertinha!  E com o dinheiro dos impostos cobrados do brasileiro. 
Muito bom, para ela. 


Divulgue, é o mínimo que podemos fazer.

Aparelhamento Político ​nos Correios



A edição de O Globo de hoje trouxe matéria a respeito dos Correios, iniciada por uma abordagem da atual situação e dos resultados da Empresa na visão daquele jornal.
A matéria discorre sobre os resultados econômicos da Empresa, a questão do aparelhamento político-partidário e da qualidade.
O Presidente da ADCAP foi ouvido pelo jornalista e declarou que a Associação quer que os gestores sejam os melhores dos quadros dos Correios e que a Empresa seja propriedade do Estado e não de um governo.

Boa leitura!

Direção Nacional da ADCAP.



Mensalão: dez anos depois

Cenário do episódio que desencadeou o mensalão, Correios veem lucro despencar
sob ocupação do PT

POR ALEXANDRE RODRIGUES
31/05/2015
Dez anos depois de ter sido o cenário inaugural do escândalo do mensalão, os Correios experimentam mais uma crise marcada pela ingerência política que corrói estatais. Lucro em queda vertiginosa, preços controlados artificialmente, recorde de queixas por atrasos de encomendas, empregados com salários descontados para cobrir um déficit bilionário no fundo de pensão. Esse é o panorama que sai do balanço referente a 2014 que a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) divulga nos próximos dias. A versão já submetida ao conselho de administração da estatal registra um lucro líquido de magros R$ 9,9 milhões. A queda foi de 97% em relação aos R$ 325 milhões registrados em 2013. A comparação é ainda pior em relação a 2012, quando o lucro chegou a R$ 1,1 bilhão.

Estatal deixou de arrecadar R$ 482 milhões





RIO - Em 2014, os Correios deixaram de arrecadar R$ 482 milhões porque o governo impediu a estatal de reajustar os preços dos seus serviços monopolistas, como cartas e telegramas. A empresa foi vítima de uma intervenção parecida com a que provocou prejuízos à Petrobras com o controle dos preços dos combustíveis. Os Correios só não tiveram o primeiro prejuízo em décadas no ano passado graças a uma manobra contábil que tirou das contas o provisionamento de R$ 1,08 bilhão de uma dívida reivindicada na Justiça pelo Postalis, o combalido fundo de pensão dos funcionários que hoje cobra até de aposentados contribuição extra para cobrir um déficit de R$ 5,6 bilhões.
Foi justamente a provisão da dívida com o Postalis que reduziu o lucro dos Correios em 2009, até então o mais baixo na história recente da empresa: R$ 117,5 milhões. Naquela época, a empresa, que havia sido fatiada no início do governo Lula entre PTB e PMDB, continuava sob influência deste último. E se mostrava uma fonte inesgotável de escândalos. Depois de ter sido o estopim do mensalão com o flagrante do diretor Maurício Marinho (indicado do PTB) recebendo propina, outro caso nascente nos Correios abalou o PT. Em setembro de 2010, a ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, pediu demissão para poupar a campanha presidencial da ex-chefe, Dilma Rousseff, depois que um diretor dos Correios foi acusado de tráfico de influência em favor de negócios envolvendo filhos dela.
Traumatizado, o PT decidiu tirar a ECT do balcão de troca de apoio no Congresso logo no início do governo Dilma e deixá-la exclusivamente sob o controle do partido. Para dirigir a estatal, o escalado foi Wagner Pinheiro, do grupo de petistas originários do Sindicato dos Bancários de São Paulo que dá as cartas nos fundos de pensão de estatais desde o governo Lula. Entre 2003 e 2010, ele dirigiu a Fundação Petros, da Petrobras, que entrou no alvo da Operação Lava-Jato depois que um ex-auxiliar do doleiro Alberto Youssef apontou a influência do ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, num negócio suspeito da entidade. Vaccari, que é do mesmo grupo político de Pinheiro e está preso em Curitiba, nega.
Quando se transferiu da Petros para os Correios, Pinheiro iniciou a reformulação dos estatutos para permitir a criação de novos cargos comissionados preenchidos por indicados políticos de outros órgãos e estatais, como Banco do Brasil e Caixa, ou de sindicatos da Central Única dos Trabalhadores (CUT), braço sindical do PT.
As novas regras também facilitaram os critérios para a nomeação de diretores regionais. Segundo levantamento da Associação dos Profissionais dos Correios (Adcap), dos 28 diretores regionais nos estados, 16 são filiados ao PT. É o caso de José Amengol Filho, diretor regional dos Correios em Minas Gerais, que é cotado agora para uma vice-presidência. Ele ganhou notoriedade na eleição de 2014 ao ser citado pelo deputado estadual mineiro Durval Ângelo (PT) num vídeo. O parlamentar discursa ao lado de Wagner Pinheiro, dizendo que a reeleição de Dilma teria “dedo forte dos petistas dos Correios”. Em outras regionais, como as de Santa Catarina e Mato Grosso, diretores também promoveram reuniões e distribuíram cartas a funcionários pedindo votos para o PT. Pinheiro, que também viajou o país em campanha por Dilma, defendeu a ação deles alegando que teriam sido atividades fora do expediente e sem uso de recursos públicos.
— Há diretores regionais que passaram a vida toda como sindicalistas. É um critério claro. Não conhecem a operação e não estão preparados para a gestão. Isso afeta a empresa, que sempre foi lucrativa — diz Luiz Barreto, presidente da Adcap, entidade que vem denunciando o aparelhamento ao governo e ao Ministério Público. — Queremos que os gestores sejam os melhores quadros dos Correios e que a empresa seja propriedade do Estado, não de um governo.
Em dezembro de 2014, o número de reclamações de extravio e atrasos de encomendas dos Correios ultrapassou, pela primeira vez, 1 milhão em um mês. A ECT argumenta que esse número representa menos de 0,1% dos 36 milhões de volumes (incluindo cartas) que entrega diariamente. Dados de relatório interno obtido pelo GLOBO que considera apenas encomendas registradas mostram que as queixas quase dobraram em um ano: de 296 mil na primeira quinzena de maio de 2014 foram para 596 mil no início deste mês.

Em nota, a direção dos Correios negou aparelhamento e disse que “filiação partidária ou sindical não são critérios” para ocupar cargos. Lembrou que o balanço da estatal foi aprovado sem ressalvas por auditoria externa independente e que a queda no lucro se deve a quatro fatores: provisionamento de R$ 1 bilhão para benefícios de saúde dos funcionários (que não era feito antes), despesas de R$ 235 milhões com um plano de demissão incentivada, queda na receita com investimentos financeiros e adiamento do reajuste das tarifas. Para a direção da ECT, a comparação do lucro não reflete a “expansão sustentável de seus negócios” e dos investimentos, que somaram R$ 2 bilhões desde 2011.